AutoSerra - O classificado automotivo da Região Serrana
Painel do Anunciante
Favoritos

Leia nossos

Artigos


Puma GTB


Erick von Seehausen
Sócio gerente
erick@autoserra.com.br
AutoSerra
www.autoserra.com.br

Puma GTB

Puma GTBO ano era 1971 e no apagar das luzes a Puma balançava novamente o mercado Brasileiro de Automóveis começando a testar um protótipo desenhado por Rino Malzoni e batizado inicialmente de P8 que também ficou conhecido como PUMA GTO ou PUMA OPALA e no Salão do Automóvel de 72 era apresentado com o potente motor 4.1 da Chevrolet e ainda com o nome de PUMA GTO (GTO: Gran Turismo Omologato).

O novo modelo chamou muito a atenção do público que aprovou as linhas inspiradas nos esportivos americanos.
A Fabricação regular desse lendário automóvel só começou em 1974 já batizado como PUMA GTB (Gran Turismo Brasil) e sua produção inicial foi de 10 unidades/mês

Curiosamente, em maio de 1.974, já estava ponto um protótipo da pick-up GTB, que no entanto, nunca foi construída em série e não se sabe também do paradeiro deste protótipo.

O PUMA GTB era um carro esporte bonito e imponente, que tinha fila de espera para compra de mais de 1 ano, devido o estrangulamento que o governo militar exercia sobre a importação de automóveis esportivos americanos

A carroceria do PUMA GTB também era de plástico e fibra-de-vidro, com a frente bem longa e a traseira curta, cores metálicas, como prateado e dourado, eram as preferidas. Vidros verdes, bancos e volante esportivos faziam parte dos itens de série.

Como o irmão menor, o PUMA GTB era ideal para duas pessoas, pois o espaço do banco traseiro podia ser utilizado apenas para pequenos percursos. O painel de instrumentos era bem completo e incluía conta-giros, voltímetro e termômetro do óleo. Vinha equipado com rodas exclusivas da PUMA e os pneus inéditos no mercado nacional, os Pirelli E70.

O desempenho do PUMA GTB não era muito superior aos do Opala, Dodge Dart e Charger da época. Estes eram mais baratos que ele. Aliás, o PUMA GTB só custava menos que o Ford Landau, carro nacional mais caro da época. Um ano depois de seu lançamento chegaria um sério concorrente para o PUMA GTB era o Maverick GT. A velocidade máxima do PUMA GTB era de 170 km/h e fazia de 0 a 100 km/h em 12,5 segundos. As únicas mudanças sofridas até 1.978 seriam na grade, conjunto ótico traseiro, a localização da placa traseira, emblemas e no motor, que passaria ao 250-S, com tuchos mecânicos em vez de hidráulicos e potência de 171 cv suficientes para 190 km/h.

No salão do automóvel de 1978 foi apresentado o novo modelo do PUMA GTB, agora denominado GTB/S2 (Série Dois), um carro que apresentava linhas mais limpas com frente mais baixa, utilizando o mesmo motor Chevrolet 6 Cilindros em linha de 4.100cc. Apresentava também na questão de segurança, os inéditos cintos retráteis, bancos de couro, ar-condicionado e vidros elétricos.

Com maior espaço interno para seus ocupantes, ficara mais confortável, porém o banco traseiro continuava o mesmo, pequeno, sendo utilizado apenas para pequenos percursos.
O GTB/S2 foi uma das sensações daquele Salão do Automóvel e dentre suas inovações, o novo PUMA GTB/S2 utilizava rodas de liga-leve produzidas em liga de antálio, de 7 polegadas utilizando Pneus BF-Goodrich Radial T/A 225/60R14 fabricados no Brasil.


Em alguns catálogos chegaram a ser cogitados outros modelos da linha GTB/S2 entre eles era o GTB/S3 que utilizaria o motor Chevrolet de 4 Cilindros de 2.500cc utilizando como combustível Álcool e também o GTB/S4 utilizando o motor Chevrolet de 6 Cilindros de 4.100cc 250-S turbinado, mas não se tem notícias se os dois modelos chegaram a ser realmente produzidos.

O PUMA GTB/S2 Teve sua produção paralisada em fins de 1984, ano em que foram produzidos 56 Pumas GTB/S2. No total estimasse que foram produzidos 888 PUMA GTB/S2 em cinco anos de fabricação.

Curiosidades:

Em Março de 1986 a PUMA Veículos e Motores mudou-se para Curitiba no Paraná, nas mãos do empresário Rubens Dabul Maluf que fundou a Araucária S/A, e voltou a produzir o GTB/S2 sob licença da PUMA Veículos e Motores, pagando 0,5% de royalties sobre cada carro produzido, na primeira fornada dos PUMA GTB/S2 Paranaenses, foram produzidos 22 carros a previsão era de 68 carros até o final de 1986. Este "novo" GTB/S2 foi lançado com o nome ASA, com o mesmo estilo consagrado, porém com algumas alterações estéticas como a utilização das maçanetas da ALFA ROMEO 2.300 espelhos do Ford DEL REY, porém seu desempenho não era superior ao dos esportivos da época o VW GOL GT 1.8 e GM Monza S/R, tanto na Aceleração quanto na velocidade máxima, por este motivo o dono de um GTB tinha que engolir um dos citados esportivos pedindo passagem nas estradas, e o GTB com o seu poderoso 6 Cilindros não poderia responder a altura, por dentro o "novo"GTB tinha poucas diferenças quando comparado ao modelo de 1984, revelava uma certa desatualização. A novidade era a relação de diferencial distinta da utilizada pelo PUMA no passado, ela foi alongada de 3,07:1 para 2,73:1 como nos OPALA da época, As suspensões se mantiveram as mesmas somente mudando a calibragem das Molas e dos amortecedores pressurizados

Não se tem idéia de quantos modelos foram fabricados entre 1986 e 1987, e nem do carro que apareceu na reportagem da revista Quatro Rodas de 1986 como uma tentativa de relançamento do modelo, mas não passou de uma tentativa no ano seguinte a fábrica da Araucária fora novamente vendida para outro empresário de Curitiba.

Com a venda da Araucária S/A, o novo dono licenciou uma empresa do seu grupo, a Alfa Metais, para a fabricação dos Puma. O primeiro lançamento dessa nova empresa foi em 1988 com o Puma AMV (Alfa Metais Veículos), era o mesmo S2 com modificações estéticas. No interior houve diversas alterações para melhorar o conforto e desenho. O painel ficou com desenho mais atual, mantendo as mesmas funções e equipamentos.

No segundo modelo AMV, de 1990, detalhes dos botões dos vidros elétricos e volante são alterados.

Infelizmente foi o último Puma Chevrolet a ser fabricado, deixando saudades.

1º lançamento em 1988

2º lançamento em 1990

No segundo modelo AMV, de 1990, detalhes dos botões dos vidros elétricos e volante são alterados.



Fontes:
http://www.pumagtb.com.br/v01_historiaGTB.htm
http://www.pumaclassic.com.br
http://parachoquescromados.wordpress.com

Você entende de carros? Gostaria de escrever artigos para o AutoSerra?

Clique aqui e fale conosco.
» Home
» Carros
» Carros antigos
» Motos
» Anunciar
» Lojas
» Guia de serviços
» Favoritos
» Artigos
» Notícias
» Contato
» Perguntas frequentes
» Quem somos
» Publicidade
» Termos de uso
» Política de privacidade
Tel.: (24) 2246-7476
Email.: contato@AutoSerra.com.br
Atendimento de segunda a sexta - 9h às 16h (intervalo 12h - 13h)

Formas de pagamento


AutoSerra - O classificado automotivo da Região Serrana
Todos os direitos reservados

Versão: 20170612